Hábitos deletérios orais na infância

Hábitos deletérios orais na infância

O nascimento de uma criança invariavelmente transforma a vida da família. Junto com o bebê, porém, nascem também algumas inseguranças – e os hábitos infantis são determinantes para o desenvolvimento saudável do indivíduo. É preciso estar atento à rotina da criança e aos seus costumes mais banais. Os hábitos orais deletérios, por exemplo, são aqueles que podem prejudicar os pequenos.

São eles:

  • Sucção de chupeta e mamadeira.
  • Sucção digital (chupar dedo).
  • Sucção da língua, bochechas, lábios ou objetos.
  • Morder a língua, bochechas, lábios ou objetos.
  • Briquismo (ranger os dentes).
  • Onicofagia (roer as unhas).

Tais hábitos não têm papel nutritivo e podem assumir sérias implicações no desenvolvimento craniofacial da criança, dependendo de sua intensidade, frequência e duração, relacionando-se com a predisposição individual e a idade.

O surgimento destes comportamentos pode ter por base uma situação de insegurança, frustração, ansiedade ou angústia, e é notório que crianças que sofrem o desmame precoce ou que fazem uso da chupeta e mamadeira além dos dois anos, apresentam comportamentos infantilizados por um período prolongado.

Os hábitos interferem diretamente nas funções de sucção, deglutição, mastigação, respiração e fala, prejudicando a correta maturação funcional do sistema estomatoglossognático.

Apesar de comuns – e aparentemente inofensivos -, os hábitos orais deletérios na infância podem trazer sérios prejuízos. Alguns dos problemas causados são:

  • Presença de ceceio na fala, voz rouca e/ou anasalada;
  • Mastigação vertical ou unilateral, afetando diretamente as articulações têmporomandibulares e o desenvolvimento das estruturas envolvidas;
  • Deglutição atípica, com interposição de língua e participação da musculatura peri-oral;
  • Respiração bucal ou mista;
  • Alteração da postura e tonicidade dos músculos da boca, como no caso dos lábios, que podem se tornar flácidos, evertidos e encurtados, causando a perda do selamento labial passivo;
  • A pele do queixo pode ficar enrugada;
  • As bochechas podem ficar hiper/hipotonificadas e caídas;
  • A língua perde a tonicidade, ficando numa posição baixa e retraída dentro da cavidade bucal, alterando toda a fisiologia do sistema estomatoglossognático;
  • Os ossos da face crescem de forma desarmônica, com alterações e rotações dos planos de crescimento;
  • As arcadas e os ossos nasais sofrem atresias (estreitamento) e desvios (desvio de septo) prejudicando as funções de deglutição, mastigação, fala e respiração e se tornando um obstáculo mecânico à cura de uma série de patologias (especialmente as “ites” = rinite, sinusite, amigdalite, bronquite, otite, adenóides hipertróficas, etc…);
  • A mandíbula mantém a posição retraída do nascimento, ou seja, o queixo não cresce, prejudicando a estética e a fisiologia;
  • A relação inadequada entre a maxila e a mandíbula, podem causar alterações oclusais.

Caso seu filho apresente algum dos aspectos mencionados, não se desespere. É possível tratar os problemas com acompanhamento profissional adequado. Para uma correta avaliação e intervenção ao nível dos hábitos orais e seus respectivos impactos sob o sistema estomatoglossognático, é importante a participação do pediatra, ortodontista, psicólogo e do fonoaudiólogo, a fim de desenvolver estratégias ajustadas para cada um dos hábitos orais e suas implicações no desenvolvimento orofacial (exemplos: orientações e aconselhamento parental; técnicas de modificação de comportamentos; terapia miofuncional; tratamento ortodôntico com aparelho dentário).

Se você tem dúvidas sobre o assunto e gostaria de obter mais informações a respeito dos hábitos orais deletérios e seus prejuízos à saúde das crianças, participe da nossa oficina de fonoaudiologia. O encontro está marcado para o dia 23/03, às 19h, no Esperanto Espaço Terapêutico.  As inscrições são gratuitas, mediante doação de um item de higiene* destinado à Casa da Criança e do Adolescente de Valinhos.

Para efetivar sua inscrição, acesse: http://espacoesperanto.com.br/site/oficinas/, envie um e-mail para contato@espacoesperanto.com.br ou ligue (19) 3849-1874.

* shampoo, condicionador, desodorante ou absorvente.