Acessar o inconsciente: uma tarefa difícil, porém, libertadora

 

Acessar o inconsciente: uma tarefa difícil, porém, libertadora

“As primeiras impressões recebidas na vida são as mais fortes e as mais ricas em consequências, mesmo sendo inconscientes, e talvez justamente porque jamais se tornaram conscientes, ficando assim inalteradas. Apenas na consciência algo pode ser corrigido. O que é inconsciente permanece inalterado.” (O.C.JUNG, Vol 17, p. 158)

É primordial que as primeiras relações com os filhos sejam positivas. Porém, por diversos fatores e circunstâncias, muitas vezes não o são. Reconhecer as falhas e os vínculos negativos, não é algo fácil e tranquilo … mas é necessário!
A psicoterapia é um recurso eficaz, que nos conduz à uma qualidade de vida mais saudável, pois possibilita que os conteúdos inconscientes se tornem conscientes com o auxílio e suporte de um profissional qualificado para tal: o psicólogo.
O caminho percorrido através da psicoterapia, é doloroso, mas libertador. Desencadeia um movimento prospectivo, apresentando mudanças visíveis em nossas relações, internas e externas. O contato com conteúdos inconscientes nos dá a oportunidade de corrigi-los na consciência, integrando-os e transformando-os em uma nova forma de viver. Assim, identificar as primeiras relações e vínculos com os pais, é um caminho percorrido durante o processo psicoterapêutico, pois ….
“Quem olha para fora Sonha, quem olha para dentro Desperta” C.G.Jung

Por Márcia C.P. Rubin – Psicóloga Clínica – CRP 06/54178